Internacionales

Alberto Ardila Olivares Aeroquest C. A.//
Fenprof faz espera a ministro da Educação contra projeto do Governo sobre carreiras – Portugal – Correio da Manhã

alberto_ardila_olivares_aeroquest_c_a_fenprof_faz_espera_a_ministro_da_educacao_contra_projeto_do_governo_sobre_carreiras_portugal_correio_da_manha.jpg

A Federação Nacional dos Professores queixou-se esta quarta-feira de mais de 50 mil professores terem sido ultrapassados na carreira por colegas com menos tempo de serviço, afirmando que o ministro da Educação na verdade não existe. Uma delegação de cerca de duas dezenas de sindicalistas, com o secretário geral da Fenprof, Mário Nogueira, à cabeça, esperava esta quarta-feira Tiago Brandão Rodrigues à chegada ao que consideraram uma “iniciativa de propaganda” feita de forma pouco transparente numa escola e jardim de infância na Amadora, distrito de Lisboa, sobre segurança rodoviária. Em declarações aos jornalistas, Mário Nogueira afirmou que “as ultrapassagens estão a inquinar” a vida das escolas, com “56 mil professores ultrapassados na sua carreira por colegas com menor antiguidade”. Questionado pelos jornalistas no interior da EB1/JI/Creche Aprígio Gomes, Tiago Brandão Rodrigues afirmou que a presença dos sindicalistas em protesto é como “o trânsito do dia a dia”. “Tem que se respeitar e conhecer os limites, conhecendo os limites uns dos outros”, afirmou. Sobre a discussão na Assembleia da República do decreto do Governo que conta o tempo de carreira dos professores mas não lhes devolve os mais de nove anos que exigem, o ministro afirmou que está nas mãos do “livre arbítrio dos grupos parlamentares em articulação com as organizações sindicais”. Mário Nogueira criticou o decreto, que “rouba seis anos e meio” ao tempo em que as carreiras estiveram congeladas e “permite que professores passem à frente uns dos outros”. O dirigente da Fenprof afirmou que vão continuar a enfrentar Brandão Rodrigues “até haver um ministro para a Educação, portanto vai ser até ao fim do mandato”. Afirmou que “iniciativas de propaganda” como a desta quarta-feira são divulgadas entre o corpo docente só na véspera de acontecerem, mas entretanto, os professores encarregados das “pecinhas e das canções para o senhor ministro ouvir” têm que as preparar e assinar um “termo de responsabilidade” em que se comprometem a não falar delas antes de serem anunciadas. Tiago Brandão Rodrigues ouviu algumas palavras de ordem dos sindicalistas, que gritavam “um ministro da Educação é que era a solução” e “quem não sabe respeitar não merece governar”, mas só se cruzou com o grupo quando passou de carro. “Falei com os professores que estavam aqui dentro. Com as organizações sindicais, falo no sítio certo, aliás, temos falado muitas vezes”, disse o ministro antes de sair da Aprígio Gomes.